26 de setembro de 2013

Minha puberdade e eu, todo mundo passa por isso.

Época de puberdade... Mas o que é essa palavra tão difícil? Minha avó diria que isso é besteira e que eu estava apenas virando mocinha, que deveria ter mais cuidado comigo e com meu corpo, que agora tudo era responsabilidade minha também e não só da minha mãe, diria até que um beijo na boca poderia me engravidar, apenas para me deixar longe daquele meninos mais velhos e maldosos.

Eu estava vivendo essa época, que besteira dizer que estava, ainda tenho meus queridos dezenove anos e me sinto com o corpo ainda em formação. Não digo a mente pois ela, ao contrario do corpo, vive eternamente em constante desenvolvimento.

Meus peitos estavam maiores e eu já usava um sutiã para ir a escola ao invés de uma blusinha de algodão, minha cintura tinha curvas que chamavam atenção dos rapazes e eu sentia que aqueles pelos todos não eram meus, todo mundo passa por isso, é normal. Irônico é hoje, eu estar aqui escrevendo isso, como se tivesse passado muitos anos em que eu estive nessa situação.

Nada era legal, as roupas pareciam me exibir mais e eu tinha vergonha de mostrar que estava em mudança. Eu sempre fui muito 'garoto', não sei subir em árvores, nem andar de bicicleta, mas sempre brinquei de bonecos, piques, pulava casas, telhados mesmo, fazia a terra e o barro virarem uma pista de carrinhos e tudo isso me fez ter a infância mais gostosa do mundo!

Mas naquela época parecia que tudo iria ficar para trás, eu escondia que meus cabelos estavam mais bonitos e me recusava a usar salto alto, não podia aceitar que a partir dos meus doze anos eu iria ter que saber lidar com um sangramento todo mês, eu mal sabia usar um absorvente e desconhecia a palavra OB.


A minha puberdade não chegou em uma época boa e eu a detestei, aliás eu ainda a detesto, ela trocou as roupas de uma barbie por roupas para mim, tirou minhas gargalhadas sem motivos por lágrimas de um amor não correspondido, roubou minha liberdade por um relacionamento sério e como se não bastasse acabou para sempre com meus dias de São Cosme e Damião!



Me acompanhe nas redes sociais:

Entre Nós #13


Me acompanhe nas redes sociais:

25 de setembro de 2013

Se os homens não prestam, você os fez não prestar.

Então a mulher chega e diz que não me quer mais,
que vai embora, vira as costas,
sem mais nem menos, sai do quarto.
Ela nem olhou para trás, nem me disse adeus, quem dirá até logo, não me ligou quando chegou em casa para dizer que estava bem, nem para saber como eu estava. Ela foi mais fria que a água no inverno, é sem explicação. Depois eu sou obrigado a ler você, mulher, revoltada em redes sociais criticando os homens, você acha que nós somos todos iguais e que não somos capazes... Mas o que é ser capaz para você?

Eu disse que te amava todos os dias pela manhã, eu te dei beijo de boa noite e não te deixava ir dormir sem falar comigo. Eu neguei quando você disse que havia engordado e te achei linda até mesmo depois que você perdeu muitos quilos naquela dieta louca. Eu fui aquele cara que te fez uma festa surpresa no seu aniversário, que te fez sorrir quando você queria chorar.

Eu respirei fundo e balancei a cabeça mesmo estando com razão enquanto você gritava e se desesperava, isso acontecia durante uma semana em cada mês, eu entendia que era sua tpm, eu briguei com quem te fazia mal e abri seus olhos com quem quis te passar para trás, fui eu quem mostrou que você era capaz de entrar naquele emprego e passar naquela prova final.

Você quer que eu seja capaz do que afinal? Será que eu disse eu te amo demais? Ou você me quisesse mais longe para sentir mais saudade. De repente você não quisesse alguém para te colocar para cima... As vezes, você só queria ficar só um tempo e quebrar uns vasos durante a sua tpm. Será que foi porque eu não fui sincero e disse que você realmente tinha engordado? Ou aquela festa surpresa não era do tema que você sempre sonhou... Por que? Porque você foi embora assim e porque eu não fui o homem certo para você?

Você mulher, poderia amar mais e dar mais valor as oportunidades, porque se os homens não prestam, você os fez não prestar!
Me acompanhe nas redes sociais:

21 de setembro de 2013

Feliz aniversário, meu amor.

Hoje é aniversário de um homem maravilha. Dizem que nossos pais são nossos herois, eu tive uma falha nesse conceito, mas Deus não me deixaria sem um anjo da guarda, a final todos nós temos um e o meu está completando mais um ano de vida hoje.

Querido, a vinte e dois anos atras você vinha ao mundo, chorando e fazendo outra pessoa chorar, você deve ter reclamado mentalmente com aquele medico-mostro que te tirava de um lugar tão quentinho e seguro, mal sabia você, o quanto a jornada aqui fora poderia ser perigosa.

Deus ja tinha escrito a sua história e está com ele até o final, não sabemos o dia de amanhã, assim como você nem imaginava que a dezessete anos após aquele dia 21/09, você receberia uma enorme missão em mãos. Incrivel é como você se dá muito bem, e cada vez melhor.

Esse jogo de fazer alguém feliz, de abirir mão de coisas de nós mesmo para dar o melhor para  alguém é muito dificil, mas você faz com a maior facilidade, parece nem perceber que a cada dia que passa o nível fica mais dificil.

Você me faz rir apenas com uma palavra, me faz sonhar bons sonhos, me dá o amor mais gostoso que eu ja experimentei na vida, nunca senti com ninguém o que eu sinto por você, e é por isso que eu escolhi estar ao seu lado. Você me faz sorrir todas as manhãs, me faz cantarolar músicas melosas e dançar sozinha pensando em você, me faz escrever os mais belos textos, contar as mais belas histórias, é o amor que eu sempre desejei. Mesmo a quatro anos, é como se fossem apenas quatro meses.

Eu tenho certeza que Deus te desenhou para mim.
''Eu não te trago ouro, pois o que eu tenho a lhe oferecer em 
troca de todo esse carinho, vale muito mais que isso!'' 
Feliz aniversário homem meu perfeição.
Lindo&maravilhoso
Me acompanhe nas redes sociais:

19 de setembro de 2013

Dia 35: Alguma habilidade, representada em foto

Aqui estou eu, tentando terminar o Desafio dos 50 dias, que deveriam durar apenas 50 doas -óbvio, mas ja está durando meses aqui, imagino que muitos nãoe stão mais interessados e que na verdade as perguntas da briuncadeira ja foram quase todas respondidas ou postadas aqui no Tudo que se pode ler.

Hoje vim falar de uma habilidade minha, eu poderia postar a foto de um livro, pois muito falamq ue eue screvo bem, mas eu acredito que tenho mais habiliadde em desenhar do que escrever, aqui vai então um desenho meu.


Me acompanhe nas redes sociais:

18 de setembro de 2013

Carta de 2070.

Vale muito a pena ler essa 'carta', mas se preferir no final do post tem um vídeo que lê a carta para você, não deixe de saber a mensagem que ela trás, é verdadeira e de extrema importancia, eu li, me emocionei e achei valida compartilhar com vocês!


Estamos do ano de 2070, acabo de completar 50 anos, mas minha aparência é de alguém de 85. Tenho serios problemas renais porque bebo pouca água. Creio que me resta pouco tempo, hoje sou uma das pessoas mais idosas da sociedade.


Recordo quando tinha 5 anos quando tudo era muito diferente. Havia muitas árvores nos parques, as casas tinham bonitos jardins e eu podia desfrutar de um banho de chuveiro por cerca de uma hora. Agora usamos toalhas em azeite mineral para limpar a pele. Antes todas as mulheres mostravam a sua formosa cabeleira. Agora devemos rapar a cabeça para a manter limpa sem água.

Antes o meu pai lavava o carro com a água que saía de uma mangueira. Hoje as crianças não acreditam que a água era utilizada dessa forma. Recordo que havia muitos anúncios que diziam: Cuide da água, só que ninguém ligava; pensávamos que a água jamais podia acabar. Agora, todos os rios, barragens, lagoas e mananciais aquíferos estão irreversivelmente contaminados ou esgotados. Antes a quantidade de água indicada como ideal para beber era oito copos por dia por pessoa adulta. Hoje só posso beber meio copo.

A roupa é descartável, o que aumenta demasiadamente a quantidade de lixo; tivemos que voltar a usar as fossas sépticas como no século passado porque as redes de esgotos estão entupidas por falta de água. A aparência da população é horrorosa; corpos desfalecidos, enrugados pela desidratação, cheios de chagas na pele pelos raios ultravioletas que já não têm a camada de ozônio que os filtrava na atmosfera. Imensos desertos constituem a paisagem que nos rodeia por todos os lados.

As infecções gastrointestinais, enfermidades da pele e das vias urinárias são as principais causas de morte. A indústria está paralisada e o desemprego é dramático. As fábricas dessalinizadoras são a principal fonte de emprego e pagam com água potável em vez de salário. Os roubos por um balde de água são comuns nas ruas desertas.

A comida é 80% sintética e pela ressiquidade da pele uma jovem de 20 anos está como se tivesse 40. Os cientistas investigam, mas não há solução possível. Não se pode fabricar água, o oxigénio também está degradado por falta de árvores o que diminuiu o coeficiente intelectual das novas gerações. Alterou-se a morfologia dos espermatozóides de muitos indivíduos, como consequência há muitos meninos com insuficiências, mutações e deformações.

O governo até nos cobra pelo ar que respiramos. 137 m3 por dia por habitante e adulto. As pessoas que não podem pagar são retiradas das "zonas ventiladas", que estão dotadas de gigantescos pulmões mecânicos que funcionam com energia solar, não são de boa qualidade mas pode-se respirar, mas a expectativa de vida média agora é de 35 anos. 

Em alguns países ficaram manchas de vegetação com o seu respectivo rio que é fortemente vigiado pelo exército, a água tornou-se um tesouro muito cobiçado mais do que o ouro ou os diamantes. Aqui em troca, não há arvores porque quase nunca chove, e quando chega a registrar-se uma precipitação, é de chuva ácida; as estações do ano tem sido severamente transformadas pelas provas atómicas e da industria contaminante do século XX.

Advertia-se que havia que cuidar do meio ambiente e ninguém levou a sério.

Quando a minha filha me pede que conte de quando era jovem descrevo o quão belo eram os bosques, falo da chuva, das flores, do agradável que era tomar banho e poder pescar nos rios e barragens, beber toda a água que quisesse, o quão saudáveis eram as pessoas.

Ela pergunta-me:
- "Papai! Porque acabou a água?" 



Então, sinto um nó na garganta; não posso deixar de sentir-me culpado, porque pertenço à geração que terminou destruindo o meio ambiente ou simplesmente não levamos em conta tantos avisos. Agora os nossos filhos pagam um preço alto e sinceramente creio que a vida na terra já não será possível dentro de muito pouco tempo porque a destruição do meio ambiente chegou a um ponto irreversível.

Como gostaria voltar atrás e fazer com que toda a humanidade compreendesse isto quando ainda podíamos fazer algo para salvar o nosso planeta terra!


17 de setembro de 2013

A pinta, era minha pinta nele.

Eu sou órfã, órfã de pai desde que eu nasci e meio órfã de mãe desde que meu padrasto Bruno entrou na nossa vida. Todo ano em dias dos pai sinto uma leve revolta no meu coração, não admito quem não tem, ser revoltado, muito menos quem tem, tratar mal. O ser humano tem que dar mais valor a vida, amar mais e ser mais feliz.

Não tive uma experiência muito boa da primeira vez que vi meu pai desde que me entendo por gente, foi no ano passado e tinha tudo para ser uma viagem maravilhosa se não fosse meus longos problemas psicológicos e ormonais.

A duas semanas tive uma conversa com minha madrasta que de má não tem nada, ela me faz bem, é bastante nova e parece que entende meus problemas de uma forma que meu pai não entenderia, afinal, ela é uma desconhecida que hoje virou uma amiga, ele é meu pai, mas ainda era um breve desconhecido.

A Mary é alta e tem cabelos lisos escuros, eu sabia que seria muito difícil de ajuda-la, mas ela me pedia descontroladamente para estar no aeroporto Galeão segunda dia 16 as 15 horas da tarde. Eu trabalho oito horas por dia e de quebra ainda tenho aula a noite, eu teria que fazer mágica para isso, mas não podia deixar uma amiga na mão.

Meu pai nunca se interessou em mim, nunca quis saber da minha vida ou se eu ainda estava viva, pelo menos nunca demostrou interesse em nada disso. Porem depois que conheceu minha boadrasta as coisas começaram a mudar e ainda vem mudando, esse era um dos motivos que me faziam pensar em uma forma de ajuda-la.

Durante a semana que eu estive pensando em como aprender a fazer mágicas, por onde eu passava via placas de carros com números repetidos 33, 44 e 88, na brincadeira que me consome e controla eu já estava ficando maluca, esperando minha sorte, felicidade e meus beijos e abraços, ganhei três vezes seguidas na raspadinha da tolerica ao lado do meu trabalho só essa semana, de repente seria isso, era o que eu pensava, pois é claro que jamais comparei esses números a vinda de um desconhecido no aeroporto

Era o irmão dela que viria de Portugal passar uns dias aqui, a história estava meio sem pé nem cabeça, porém dei meu jeito, fiz olhos do gatinho daquele filme infantil com um monstro verde chamado Sherek e consegui sair depois do almoço para minha missão.

As 15:30 eu já estava lá no meu posto com meu soltado André Luis, que sempre está lado-a-lado comigo nessas aventuras, passou 10, 20, 30 minutos e nada do meu ''tiodrasto'' -grau de parentesco que não existe e nós inventamos mesmo assim, até que lá para as quatro e meia da tarde surge alguém na pista do desembarque.

Fiquei na ponta dos pés para verificar se parecia com a  foto do irmão dela que eu tinha em mãos, mas pera ai... O que era aquilo? Fitei os olhos, os óculos, o cabelo, o nariz, a pinta, a pinta!! A minha pinta estava ali aquele homem, Aquele era meu PAI.

Não era réveillon e eu nem mesmo estava em uma casa de show, mas sentia fogos dentro de mim e minhas pernas tremiam com o 'tumtitum' de uma eletro pesado, não adianta me pedir para descrever, eu não saberia como nem porque.

Hoje é aniversário de dezoito anos da minha irmã mais nova, ele veio para fazer uma surpresa á nós três, ontem matou nós duas e a essa altura está fazendo a Samila, minha irmã mais velha -que por sinal eu não conheço, chorar. Se eu contar, você realmente não acredita.

Histórias, Nossas Histórias, dias de luta dias de glória.

13 de setembro de 2013

A vida faz deboche.

Tão alucinada eu fiquei, louca, maluca, pirada, queria te-lo todo para mim, inteiro somente meu, por quanto tempo eu quisesse. Eu sei, ele me avisou que não, que ele não era o cara certo, que não queria namorar e que podia me deixar repleta de prazer por uma noite, mas não sabia se quando amanhecesse ele estaria ali.

Eu sentia um medo terrível do momento que ele não desse tchau e eu me sentisse só mesmo assim, eu temia ter que dançar mais uma vez sozinha e não fazer mais as pazes com a vida, tinha medo de ter deixado alguém que valesse apena por uma aventura de amor, um amor de primavera-verão.

Minha mãe já dizia, foge desse homem, pois cabra-macho que sabe dançar não presta de caráter, como ela poderia saber tanto dele sem ao menos conhece-lo? O André não prestava, não queria compromisso e só pensava em altas loucuras, confesso que isso despertava um desejo descontrolado dentro de mim e que se dependesse de mim não demoraria tanto quanto demorou para uma relação acontecer.

O carinha tem a pele morena, sorriso braco de causar inveja, olhos brilhantes que ficam pequenos quando sorri e deixa aparecer uma covinha, não podia prestar, nem valer a pena, mas quem disse que eu mesma prestava? Fui de cara para o muro com toda velocidade e ele me disse:
- Só não vale se apaixonar e dizer que me ama!

Foi exatamente o que eu escutei dele apenas 4 meses depois, que hoje fazem quase 4 anos. A vida é uma chicara de deboche, sempre nos surpreendendo não?

ps: Sua amante te ama!

Quem disse que mudamos?

Eu não tive que criar coragem para responder um oi, ou perguntar se estava tudo bem, se eu voltasse uns 6 ou 7 anos atrás, tenho certeza que eu estaria nervosa apenas em ler uma mensagem sua, mas hoje não. Faz parte da vida, em falar nela, vale citar o quanto traiçoeira é, vive puxando um tapete debaixo de nossos pés, ou passando um vento forte bagunçando tudo o que estava em ordem, ou parecia estar.

A conversa foi sadia, animada e descontraída, até parece que um dia nada daquilo aconteceu em nossas vidas e esse sentimento me faz bem, era assim que seria se realmente nada daquilo tivesse acontecido na nossa história.

Mas pensa comigo, como seria sem graça se nunca tivéssemos dançado juntos de um jeito desengonçado, achado graça em uma piada sem graça, zoado um amigo, ficado na praia a noite sem motivo, rezar uma missa, ficado na porta da escola até depois da hora, acolhido os choros um do outro, ter conhecido a maldade um do outro, ter estudado um com o outro e enfim ...

Você faz cara de durão, mas eu ainda conheço o que se guarda ai detrás desse olhar sombrio e sei que se alguém provocar um pouco uma carinha de feliz vai surgir, eu fico tão feliz em ver a felicidade de quem eu gosto. Dia após o outro, nós mudamos muito, mas na realidade, não mudamos nada! Renato de Almeida Romar.

12 de setembro de 2013

A primeira vez que fui a casa dele.

Eu estava louca para beija-lo novamente, afinal aquele dia na praia do leme a noite foi muito especial, mas não foi o bastante, tinha muita gente e eu tinha hora para ir pra casa. 

Todas as noites que nos falávamos no telefone, ele me convidava para ir a casa dele, não que eu tivesse medo, mas as vezes concordava com minhass amigas em achar que era muito cedo pra isso, quando estamos apaixonados fazemos cada loucura por isso.

Eu sou do tipo que não penso muito antes de fazer, eu apenas sinto vontade e faço, eu sei que isso me causa problemas, foi por esse jeito maluco que passei a noite em um hospital com infecção estomacal, sentir vontade de comer massa de pastel e come-la mesmo estragada não faz bem, resultado? Nunca mais comi pastel na vida.

Aquela aula  no Sonja Kill estava muito chata, naquele dia eu definitivamente não queria aprender alemão, eu era do primeiro ano, foi exatamente em dois mil e nove, era inverno e o tempo estava meio fechado, eu como sempre sentada com a morena bombom e a doce Tatalia, elas estavam contra o que eu ia fazer, mas daquele dia não passaria, eu iria pra casa dele.

Sai da aula correndo, nem escutei o sinal tocar, eu poderia ter trocado de roupa no banheiro da escola, mas estava tão esganada que fui de uniforme e tudo, poderia também ter marcado na praça da escola, assim eu não teria que andar tanto até aquele lugar sujo como a Central do Brasil (mania descontrolada de marcar de me encontar somente em lugares feios, que desconheço o motivos -risos).

La estava eu, coberta de medo apoiada em um orelhão velho com mulheres nuas coladas de frente p. mim, parecia mais uma criança abandonada, me sentia mal, até olhar do outro lado da rua e sentir minhas pernas bambas, meus dedos da mão estavam suando e meu coração eu ja nem sentia mais, tudo isso apenas por ve-lo vindo do outro lado, isso é loucura!

Eu sou nascida e criada no Centro da cidade, então confesso que pegar um onibus para longe é muito estranho, porem, quem estava pensando nisso? Eu estava ao lado do homem que eu mais desejava naquele exato momento. Minha vontade era de ataca-lo feito uma onça , esquecer as pessoas, o cenário e senti-lo ali mesmo.

Eu sei que era cedo, mas quando experimentamos o pecado e encontramos alguém que mexe com nosso eu intenior, não há quem resista, você vai entender do que estou falando. O onibus de fato estava lotado, ele arrumou um lugar para mim e me deixou sentar,  passava as mãos no meu cabelo, estava olhando pela janela com um ar sem reflexão alguma, estava pensativo.

Ah, eu daria tudo para saber o que ele estava pensando naquele momento, a mesma coisa que eu, com certeza não seria, acredito até hoje que ele estava planejando como me fisgar de jeito, mas, para que? Mal ele sabia que eu ja estava na dele! Não demorou muito para chegarmos lá, estava tudo tão estranho pra mim, eu nunca tinha ido a Irajá. 

Conhecia o André fazia menos de duas semanas e não sabia nada da vida dele, sei que minha mãe iria me dar uns tapas com vontade de soubesse disso, aliás, ela não sabe até hoje. Mas fazer o que se eu sentia que deveria estar ali, naquele onibus, a caminho da casa dele, juntinho com ele.  Desde lá, eu ja sentia que existia uma confiança muito grande, enquanto eu mal poderia imaginar o que viria depois.

O tempo quis seu tempo, adeus!

Me desculpe por ter feito você perder mais de uma no da sua vida, por ter feito você se arrepender e odiar cada um daquele dias, por não ter dado atenção quando você me pediu para escutar - Ivete Sangalo e Sorriso Maroto - Entre Nós. Meu coração, hoje, pergunta o que eu fiz , tire essa mágoa dentro do seu peito, quem errou fui eu, mas não era assim que eu pretendia fazer, perdão!

10 de setembro de 2013

Quem inventou o eternamente?


Se o pra sempre, sempre acaba, quem inventou a palavra 'eternamente' ? Um grande escritor iludido, um grande homem mal amado ou simplesmente um vencedor que viveu até depois da morte na terra e amou eternamente?

Quase devaneios, namorados, amores, paixões e amizades.

Me perguntaram porque eu deixei uma pessoa tão boa para entrar em um outro relacionamento, me questionaram, de não entenderem o motivo que eu tive para sair de um relacionamento com um grande 'rei' se não era para estar vivendo uma vida de babado e confusão no meio de outros solteiros.
Minha resposta foi simplemente: 'não sei!'

Cheguei mais cedo em casa, fui na geladeira procurar minha garrafa de vinho, que sempre está pela metade esperando que eu chegue em casa na seca de mais um copo. Mas ela não estava lá, alguém chegou antes de mim e isso não me irritou como normalmente deveria irritar.

Enchi um copo com coca-cola sem gás que deixaram no lugar, naquela caneca que eu segurava tinham duas pessoas estampadas em um desenho mal feito, que me trouxe um sorriso no rosto quando reparei nos meus olhos e no cabelo dele, tem uma data ali e atras uma canção, encarei aquela caneca por uns 2 minutos, então me veio a lembrança daquele questionamento.

Eu estava alí, deitava, com roupas leves e encarando uma caneca pela metade, talvez se fosse o vinho dentro dela, eu refletiria mais nessa situação, mas quando reparei bem ao meu redor, não tive duvidas de tudo aquilo que eu estava sentindo. Não fui obrigada a namorar ninguém, nem tive a intenção de magoar ninguém.

Naquele ano eu vivia um relacionamento com um alguém maravilhoso que me fazia cafuné antes de dormir, que escutava meus problemas, lias minhas cartas e fazia piadas do meu cabelo pela manhã. Mas em um relacionamento a pessoa completa seu 'eu' em 50% ja que o resto você mesmo toma conta, e esse alguém fazia parte de uns 25% de mim.

Talvez naqueles outros vinte e cinco por cento se escondia um fogo, uma paixão, uma loucura, uma maturidade, um encantamento, que bom... Eu não procurei em outro alguém, ele simplesmente apareceu e eu recebi o que me faltava.
Eu não escolhi, escolhendo ficar com alguém. Eu vivi e deixei acontecer, eu me sinto tão bem, tão completa, talvez até hoje não consiga ainda responder esse questionamento, irei lhe contar uma história e cada vez, ela terá diferentes versões, mas no final eu estou querendo dizer a mesma coisa. Amor, nunca acaba, ele apenas se modifica, eu amo, eu sei amar e o que é amar, mas o amor existe de diversas formas e aquele amor não era o que eu precisava, não naquele momento. Renato de Almeida Romar e André Luis Brito da Cruz

Entre Nós #12


Escancarou meu peito, desculpe mas eu vou chorar.

Quando eu fechei os olhos para tentar relaxar de um dia de trabalho e estudos eu me concentrei na música que estava tocando, apenas um lado do fone estava conectado a mim e mesmo com o volume baixo aquela parte da canção, tocou no fundo do meu coração.

Ninguém me obrigou a dizer adeus, mas ninguém  obrigou a ele, ir embora da minha vida, os problemas que ele teve, foram consequencias da atitude dele. Eu não virei as costas pra ele e fui embora, não ignorei os sentimentos dele e nem esqueci tudo que aprendi ou vivi ao seu lado. Mas porque parece que para ele foi tudo tão assim? 

É como se uma noite de tormenta chegou de repente para ele, e assim que o sol surgiu ele saiu correndo, fechou os olhos para o mundo, sentiu vergonha da vida e quis sumir, eu o entendo, ou acho que entendo.

Quando eu fechei os olhos eu escutei 'vou chorar, desculpe, mas eu vou chorar, na hora em que você voltar, perdoa meu coração', a essa altura eu ja estava chorando, eu imagino um dia ele voltando, olhando nos meus olhos e me dizendo isso... Mas é claro que eu desculpo. Ou não.

Me sinto em um mar profundo, perdida, acho que estou me afogando, sinto um nó enorme na garganta e eu mal posso engolir saliva, tento olhar para alguma luz, evita que as lagrimas caiam e eu estou em um ônibus ao lado do meu noivo, ele é muito preocupado comigo e me trata como uma taça de vidro, não ficaria bem, demostrar o desespero em que fico cada vez que sonho com meu tio, acordo com saudade e escuto essas músicas que me lembram tanto de tudo.

Não bastou Deus escrever minha história sem meu pai legítimo, desenhou um rascunho de um pai ideal, nem que estivesse presente somente nos finais de semana e épocas de férias, então foi lá e o apagou, assim, sem mais nem menos.

Eu senti meus braços que estavam debaixo do meu rosto, ficarem exarcados, meu rosto inteiro estava molhado e meu coração estava menor que uma formiga, sensível, inocente e tão desprotegida, tão vulnerável a um mundo estranho, como se somente eu estivesse ali e tudo era tão perigoso.

Lembrei das vezes em que eu me deitava no colo dele dentro de uma vam, com destino a minha felicidade, que estaria lá na minha segunda casa, quando eu os visse juntos, quando nós três fossemos deitar juntos e dormir agarrados, como uma família feliz. Lembrei que eu vivia passando mal quando viajava e em um dia, fiquei tão transparente e passando tanto mal, que ele foi obrigado a descer da vam comigo, esperar eu colocar meus órgãos para fora e voltar para a estrada (risos). 

Das vezes que víamos placas de carros e apostávamos quem gravava mais na memória, das vezes que ele via meus desenhos e ficava me ensinando como melhora-los, das cartinhas que eu fazia para ele, das vezes que ele sentava no chão comigo e vinha brincar de massa de modelar comigo, criava vários bonecos, os que ele fazia eram sempre os mais bonitos. 

Não dá para deixar de lembrar daquele ar puro e gostoso de fazenda, com o sol me acordando aos poucos de manhã, eu sentia as mãos da minha segunda mãe no meu cabelo, toda cheia de carinho e  amor, o café ja estava pronto e ele lá na sala, aumentava o som tocando um forró, enquanto ja estava trabalhando no quintal. 

É, eu não aprendi a dizer adeus para ele, ninguém me ensinou, eu não gosto de falar dele, de lembrar dele nem ao menos de pensar em tudo isso, mas quando de repente eu tomo esse tiro no meu coração, a ferida se escancara e tudo vem de forma agressiva no meu pensamento, então eu apenas escrevo.

-Um dia você ja vai estar grandinha e vai vir sozinha p. cá, pegar a vam e descer sozinha
-Eu? Eu não eu sou pequena!
-Mas você vai crescer, daqui a uns 5 anos você ja vai saber vir só, descer e chegar em casa, eu não vou mais precisar ir te buscar, você não vai mais precisar de mim

Esse final de semana eu viajei, estava dormindo e de repente quando eu acordei e abri meu olhos eu estava exatamente lá, naquele ponto, naquela rua, naquele lugar, foi inevitável não pensar neles, nele diálogo, nesse dia, nesses momentos, eu reconheci, ele estava certo, um dia eu iria cresce e saberia chegar sozinha lá, eu ainda estou sensível por esses pensamentos, sei que escrevi demais e esse post não está bom, mas eu estava apenas tentando desabafar.
Dedicado para meu Tio Geovane e minha madinha Luiza

7 de setembro de 2013

Eu iria dar game over.

Eu disse a minha melhor amiga que naquela noite eu iria decidir a minha vida, seria aquele dia, depois do cinema em uma lanchonete qualquer da Cinelândia. Confesso que nunca gostei muito daquele lugar e ali não tem nada de romântico para dar fim a um relacionamento, ''mas que relacionamento Viviane, vocês a menos estão juntos''. Pois é, naquela época eu conversava muito com minha consciência, ela vivia me colocando para baixo pra ser sincera.

Eu estava decidida a dar game over e tirar todas as suas vidas extras, se é que você se importava com isso. Vimos ''Os Normais 2'' era estréia do filme e eu ja estava estranhando, pois um casal geralmente assisti a romances. Na sala escura eu senti a mão dele na minha perna diversas vezes e meu coração era sufocado cada vez que ele me pedia um beijo, eu sempre caía na tentação do que eu estava tentando fugir...

Por tradição, lá fomos nós lanchar depois das risadas do filme, o outro casal nos deixou a sós, pudera, eles ja sabiam do meu plano maquiavélico! Nossos olhos estavam fixados um nos outros, quando juntos falamos:
''Eu quero falar uma coisa para você!''

Dizem que bons cavalheiros sempre deixam as mulheres falar primeiro, mas eu agradeço a Deus por ele ter sido um ogro aquele dia, naquele Mac Donald's velho e feio.
''Eu terminei com ela! Sou todo seu agora!''

O que? Como assim? Ele não pode estar fazendo isso comigo, eu vim dar fim no nosso filme! Fiquei calada por um minuto enquanto minha consciência dava o 'chilique' dela, ele nem ao menos me perguntou o que eu queria dizer, vai ver ele ja sentia que eu queria terminar tudo. Eu sei que aquela praça com arquitetura antiga virou ruas de New York, ou de Berlim como eu prefiro, era como se ativessem soltando fogos la fora, como se os carros tivessem se transformado em pássaros, os lixos na rua eram neves, os mendigos eram limpos, bonitos e dançavam balé, até as prostitutas de lá se transformaram e cantavam um lindo coro romântico para nós dois.

É incrível que quando estamos apaixonados, nos alegramos por nada e nos tornamos cegos. Aquele dia realmente decidiu a minha vida, como eu sabia que seria, mas não como eu imaginaria que fosse acontecer e que bom que não...

Texto inspirado em um episódio meu e do André antes de namorarmos, 
quando eu decidi que iria parar com tudo alí, mas (...)
Daquele dia em diante ele era todo meu e é assim até hoje
Check Mate.

5 de setembro de 2013

Alguém como ela, Carolina.

A sociedade impõe que bons amigos tem uma linda história na infância e são inesquecíveis um para o outro para sempre... Sim, eu concordo e tenho esses amigos, mas sou a prova de que um dia você conhece alguém e essa pessoa se torna especial apenas por estar ali.


Eu tinha acabado de entrar em um novo relacionamento, ela era apenas namorada de um amigo do meu namorado. Eles mesmo, nem eram tão amigos assim e eu acabei nem tendo abertura para fazer qualquer tipo de amizade. Eu lembro que eu a olhei dos pés a cabeça e reparei que aquela blusa cinza caía muito bem nela, so não me atraía nada era aquele rádio nextel na cintura, que gritava:
- Fofa, eu sou linda e rica!

Para mim porem, parecia mais a mulher do chefe, talvez se o namorado dela tivesse mais cara de malvado eu acharia isso literalmente. Para ser sincera eu preferia comentar com meu namorado que ela se vestia muito bem e que os cachos do cabelo dela, eram lindos -não, eu não sou lésbica, mas sou mulher, e bom, mulheres reparam em tudo; hoje eu sei muito bem que ela também pensou alguma coisa de mim, mas prefiro não saber o que.

Pulando aquela etapa em que eles terminaram, eu deixei de vê-la pelas ruas de terra em Paquetá, também a etapa que eu me aproximei mais do ex-atual dela, e o vi, desabafar, chorar, rir, falar, implorar e tudo mais sobre ela, o que durou uns 2 anos se eu não em engano... 

Chegou uma tarde no final de semana, eu até hoje não tenho ideiade como ela surgiu no meu facebook, mas estava lá e veio falar comigo, alí ela desabafou um monte grande se sentimentos, eu acredito que ela so fez aquilo porque eu havia curtido a foto da ultra da filha dela, ou a penas pelo fato dela estar em contato com o ex dela e ele ter falado de mim, que seja, o motivo é o de menos, o que me importava era apenas estar ali, no momento certo, para a pessoa certa e eu estava.

Vieram uma, duas, ou mais conversas, durante 9 meses de uma gestação que resultou em uma vida linda e amada, além de uma boa amizade.  É necessário ser sincera para ganhar amizades sinceras, é necessário respeitar para ser respeitado.

A sociedade impõe também, que os amigos sorriem com você, curtem, estão sempre nos melhores momentos... Mas talvez, um bom amigo seja somente aquele que surge do nada em um momento ''ruim'' ou difícil para tirar suas preocupações e te colocar para cima. Calhou que Deus quis que fosse assim e mais uma vez eu estou aqui para te dizer:

''Relaxa, eu vou resolver para você!''


Muito obrigada pelo presente que você me deu,
 aliás, pelos presentes que você me dá!
Dedicado para e somente para, Carolina Menezes!

Entre Nós #10


4 de setembro de 2013

O que eu faço para você entender que meu amor é seu?

Eu ja tentei mas nãos ei, eu realmente não sei como deixar claro que o meu sentimento por você não é apenas um namoro, ja disse que te amo, que sou louca por você, apaixonada e tudo isso, te contei que aceitaria ser sua submissa e até mesmo sua amante. 

Eu sei que é errado, eu entendo que no dia em que seu coração for meu eu não iria curtir uma outra te oferecendo tudo, desde sua alma até seu respeito e dignidade, mas o que eu penso de verdade é que cada uma tem que cuidar do seu amor da sua maneira e que Deus faz casais em pares, um nasce para o outro e não há jeito. E bom, você não nasceu para ela, seu amor pertence aos meus sentimentos, só você não viu!

Tudo isso parece tão clichê, não curto frases melancolicas, mas como posso fazer você entender, que não te quero por uma tarde na sua casa, nem por um dia de cinema, te quero do meu lado, para falar de amor, sorrir e chorar, além de dormir e acordar contigo todos os dias.

Homens... Vocês são tão tontos assim ou apenas se fazem para não dar um fora e machucar o coração de uma menina? Pode demorar mas em algum momento alguma palavra minha vai encontrar o caminho e você vai compreender, so espero que não seja tarde demais, eu sei partitr corações e infelismente não tenho pena nem medo.

Texto inspirado nos 4 primeiros meses depois que conheci meu noivo, 
vivia louca atras dele e mesmo desesperada tive 
calma, hoje essa época faz 4 anos e somos casados e feliz. 
É André, meu amor é todo seu, que sejamos felizes até quando Deus desejar!

3 de setembro de 2013

#Rebelde001 O Fenômeno está de volta!

Eu digo R você diz RB, RBD, RBD!

Sim, sim sim meu povo, eu ainda estou desacreditada, ja fiz diversos post aqui no Tudo que se pode ler falando sobre meu amor e minha saudade deles. São apenas seis pessoas distinatas e normais, eu sei, eles nem sabem que eu existo e todo esse blablablá de gente malvada é verdade, eu também sei.

Mas  foram essas seis pessoas distintas que não em conhecem, que mostraram me conhecer tão bem, que me deram os melhores conselhos quando eue stava muito para baixo, que me alegraram, que me fizeram chorar, que me deram amor... Eu sou fã, do meu jeito, mas eu sou.

Ontem o canal SBT provou o que vinha prometendo a meses e o que nós pediamos a 6 anos (coincidencia né? 6, 6, tudo sempre 6 Viviane, rs.) quando a novela acabou. Enfim ontem veio ao ar o primeiro capitulo de Rebelde, os fãs elouqucidos subiram a tag #Rebelde001 que está até agora nos tt's, essa geração me dá orgulho, sem duvidas!

Foi apenas o primeiro capítulo de uma reprise e a emissora ja conseguiu um pico de 9 pontos de audiência, vamos comt udo, que enquanto nós estamos afzendo por ele, eles fazem por nós!
Agora eu deixo para vocês a primeira reflexão, do primeiro capitulo da primeira temporada!

''Qual o momento exato em que começamos a decidir a nossa vida? Quem testou nossos pais para saber se seriam capazes de escolher o melhor para gente? Quando eles escolhem nosso colégio será que têm a consciência que esse lugar vai marcar a nossa história para sempre''
 Miguel Arango

Não percam hoje, as 21:15 da noite no Sbt - Rebelde Original.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...